A exoneração da pensão alimentícia paga ao(à) filho(a) que atingiu a maioridade

Não são raras as vezes em que o devedor de alimentos, diante da maioridade do(a) filho(a), deixa de pagar, por conta própria, a pensão alimentícia. Isso decorre do senso comum de que a exoneração da pensão alimentícia, neste caso, ocorre de maneira automática.

Mas não.

A maioridade, atingida aos 18 (dezoito) anos completos, encerra o poder familiar, mas não implica, automaticamente, no fim do dever de prestar alimentos.

A doutrina e a jurisprudência bem estabelecem que o fundamento legal e jurídico da obrigação alimentar devida aos filhos maiores altera-se do dever de sustento inerente ao poder familiar, com previsão legal no art. 1.566, IV, do Código Civil, para o dever de solidariedade resultante da relação de parentesco, que tem como causa jurídica o vínculo ascendente-descendente e previsão expressa no art. 1.696 do mesmo código. Assim, alcançada a maioridade, deixa de existir a presunção absoluta de necessidade de percepção dos alimentos e, em consequência, passa-se a exigir a análise do binômio necessidade (do alimentado, maior de idade) x possibilidade (do genitor alimentante).

Certo é que a exoneração da pensão alimentícia sempre depende de decisão judicial. 

Obrigatoriamente, deve-se oferecer ao alimentado a oportunidade de comprovar que, mesmo atingida maioridade, necessita da prestação alimentícia. Na sequência, mediante análise das alegações e provas oferecidas pelas partes, o Juiz decidirá sobre o cancelamento ou manutenção da pensão por mais algum tempo.

Diversas são as decisões judiciais que determinam o pagamento da pensão até a conclusão do curso universitário ou técnico. Porém, o estímulo à qualificação profissional dos filhos não pode ser imposto aos pais de forma perene, eterna. Em rigor, a formação profissional se completa com a graduação, que, de regra, permite ao bacharel o exercício da profissão para a qual se graduou, independentemente de posterior especialização, podendo assim, em tese, prover o próprio sustento.

Sobre o tema, o SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA entende que “o advento da maioridade, por si só, não é causa de exoneração automática de alimentos, considerando a necessidade ainda existente enquanto perdurar o curso de graduação ou técnico, visto que necessários para possibilitar a inserção no mercado profissional, sendo considerados marcos que os habilitam a exercer a profissão escolhida, sendo possível perdurar a obrigação de alimentos após a conclusão dos cursos acima mencionados, desde que o alimentando demonstre a persistência da necessidade.” (HC nº. 893.855, Ministra Relatora,  Maria Isabel Gallotti, DJe de 07/03/2024).

Em linhas gerais, estes são os contornos da questão ligada à maioridade e à cessação da obrigação de prestar alimentos. Mas a análise de cada caso concreto e das provas produzidas pelas partes é que permitirão ao Juiz decidir se e até quando, após o atingimento da maioridade, o pagamento da pensão deverá ocorrer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prezado Cliente

Comunicamos que o nome do escritório vem sendo usado para aplicação de golpes em nossos clientes. Caso receba alguma ligação ou mensagem suspeita, entre em contato conosco pelos canais oficiais que estão no site para confirmação da informação.